Artigo

Afinal, o que é isto da Hipnose?

O termo Hipnose vem do grego “Hipnos” – Deus grego do Sono. Na história da hipnose, quando o James Braid batizou o termo “Hipnose”, o conhecimento que se tinha na época é que era uma espécie de sono que podia ser induzido. Hoje sabe-se que a hipnose não se trata de sono e sim de um estado alterado, ou como alguns defendem, ampliado de consciência. Existem várias definições de hipnose, a Associação Americana de Psicologia, define Hipnose como sendo “um estado de consciência que envolve atenção focada e consciência periférica reduzida, caracterizado por uma maior capacidade de resposta à sugestão. É um estado mental (teorias de estado) ou um tipo de comportamento (teorias de não-estado) usualmente induzidos por um procedimento conhecido como indução hipnótica, o qual é geralmente composto de uma série de instruções preliminares e sugestões. O uso da hipnose com propósito terapêutico é conhecido como hipnoterapia”. Para a sociedade Brasileira de Hipnose “ hipnose abrange qualquer procedimento que venha causar, por meio de sugestões, mudanças no estado fisico e mental, podendo produzir alterações na percepção, nas sensações, no comportamento, nos sentimentos, nos pensamentos e na memória”. Milton Erickson define hipnose como “um estado alterado de consciência, ou é um estado de consciência no qual o conhecimento que você adquiriu durante toda a sua vida e que você usa automaticamente torna-se, de repente, disponível”. Clarificando, É importante entender que o estado de hipnose é um estado focado de atenção em que entramos naturalmente. Já todos experimentamos em algum momento das nossas vidas, estar tão atentos a algo (ver um filme, ler um livro, conduzir por uma estrada conhecida), que nos dissociamos da realidade exterior. Num setting terapêutico, o estado de hipnose é induzido através de sugestões dadas pelo terapeuta ao paciente convidando-o a fechar os olhos, a relaxar o seu corpo, acalmar a sua mente, mudando o foco de atenção do exterior para o interior. O corpo fica tão descontraído e letárgico que parece estar a dormir. Mas a verdade é que a pessoa hipnotizada não está a dormir. Neste estado, a mente fica bem desperta e a pessoa está totalmente em controlo.

Não dirá ou fará algo que não queira ou que seja contra o seu sistema de convicções. E quando desperta deste estado, a pessoa lembra-se do que se passou, tal como numa conversa normal em que se recordam as partes mais importantes e relevantes da conversa. Neste estado de hipnose, a mente fica mais receptiva e permeável, e o trabalho terapêutico feito para alcançar as mudanças desejadas – sugestões diretas ou exercícios metafóricos entre outros – tem resultados rápidos e eficazes. É um método natural, simples, mas de grande responsabilidade. Só deve ser feito por um profissional com formação completa e credível. A hipnose como ferramenta terapêutica tem como finalidade propriamente dita a terapia, quando utilizada em consultórios de psicologia, tem garantido processos mais breves de terapia, com resultados bastante positivos e seguros nos tratamentos de:

• Ansiedade,
• Depressão,

• Perturbações de sono,
• Perturbações alimentares,
• Hipnoparto,
• Fobias,
• Traumas,
• Timidez excessiva,
• Aumento de auto-estima, confiança,
• Disfunções sexuais,
• Luto,
• Controlo de impulsos e compulsões (alimentares, drogas, tabaco, jogo, etc),
• Alto desempenho,
• Entre outros.

Em relação a outras técnicas terapêuticas a hipnose tem obtido excelentes resultados num espaço de tempo mais curto.

Numa sessão de Hipnoterapia a tarefa inicial do terapeuta é a de estabelecer um boa relação de confiança com o paciente. Isto envolve encorajar o paciente a falar sobre as suas preocupações. Na primeira sessão, o terapeuta passa algum tempo com o paciente para recolher informações sobre o seu historial clínico, tempo este que contribui para criar laços de confiança e segurança entre paciente e terapeuta. Os sentimentos de segurança, conforto e confiança no terapeuta ajudam à indução do transe hipnótico. Os objetivos terapêuticos são delineados e estabelecidos, após o que o terapeuta dá uma explicação completa do que é a hipnose. É também neste momento que as dúvidas ou mitos sobre a hipnose são esclarecidos. Há muitas maneiras de alcançar o estado de transe. Normalmente o paciente está confortavelmente sentado num cadeirão ou sofá enquanto o terapeuta fala com uma voz suave e tranquila. A duração dos tratamentos depende do problema, do sintoma e das circunstâncias do indivíduo. O objetivo da hipnose terapêutica é o de recuperar o controlo que se perdeu sobre algo – o problema ou sintoma. Estima-se que aproximadamente 85% da população de todas as fases etárias, respondem à hipnose de uma forma positiva e rápida.
Bibliografia: Instituto Português de Hipnose – curso de hipnose terapêutica, Manual de Hipnose terapêutica http://www.lcchportugal.com/escola http://www.institutoportugueshipnose.com/consult-rio-2